sexta-feira, 24 de abril de 2009

Cozinha - A grande decisão

Toda vez que paro pra pensar nas brigas que tivemos na hora de decidir como ficaria nossa cozinha, fico me perguntando por que diabos brigamos tanto por causa dela! Meus dotes culinários se limitam a fritar um ovo e esquentar coisas no microondas. Costumo dizer, que se fosse saudável, minha dieta seria à base de coisas derretidas: biscoito com queijo derretido, chocolate derretido com café, sorvete de chocolate derretido (vira um excelente chocolate quente!), arroz com requeijão derretido, purê de batata com queijo derretido e por aí vai.

Ao mesmo tempo meu namorado nunca se mostrou nenhum mestre cuca (a não ser que ele esteja escondendo o jogo). Então, por que será que a tal da cozinha foi a ultra-master-blaster-hiper-mega-super-tera campeã de motivos para discussões?

Se Freud estivesse vivo, provavelmente ele teria uma explicação que começaria com a necessidade de preencher carências afetivas através da comida, passando por teorias sobre a socialização do homem através das refeições e terminando com algum complexo de Édipo ou coisa do gênero. Não importa. Só sei que a tal da cozinha quase acabou com nosso namoro, mas o projeto já está pronto e ela vai ficar lindona!!!

O primeiro problema a ser resolvido era o da disposição dos móveis e eletrodomésticos no espaço. Fruto do trabalho árduo e talentoso do meu querido namorido, acabamos nos decidindo pela formatação abaixo:

Pra comparar, aqui você vê a planta original:


E aqui uma outra opção, que foi descartada:


Definida a diagramação do espaço, começou a parte mais difícil: escolher as cores e os revestimentos. O Dado sempre quis pintar as paredes (tinta epoxi era a idéia inicial) e eu sempre morri de medo disso. Mil pessoas me buzinando nas idéias, dizendo que tinta epoxi era dor de cabeça, que pintar parede da cozinha seria suicídio e pedir pra ter problemas com a manutenção e blablabla. No final, ele acabou me vencendo (como vem acontecendo ao longo da obra, não sei se ele já percebeu isso :P) e escolhemos fazer meia barra de azulejos nas paredes das bancadas e pintura nas demais paredes.

Pra vocês terem idéia da quantidade de cozinhas que pesquisamos e de plantas que desenhamos, fiz duas galerias de fotos.

Clique nas imagens abaixo pra ver cada uma das galerias.

Clique na imagem e veja nossas brincadeiras de projetar cozinhas


Clique na imagem acima e conheça as cozinhas que gostaríamos de ter


E pra esse post não ficar imenso, resolvi dividí-lo em mais de um e nos próximos falarei sobre os revestimentos das paredes, o piso e os móveis que escolhemos.

4 comentários:

Marcelo Oliveira disse...

Nossa, gostaria de ter tido à mão um programa desses na hora de desenhar minha cozinha ! Fui até a uma Delano e fiz o desenho no computador deles, mas claro, só liberariam o desenho caso eu fechasse contrato :(

Posso saber que programa vcs usaram?

Quanto à escolha da meia parece e pintura, acredite, não é mal. Caro que oideal é cobrr tudo de granito, mas o preço... :(

Parabens pelo blog!!

Marcelo

Biboca da parafuseta disse...

Oi Marcelo,
usamos um programa chamado Chief Architect. Ele é bem completo, parece que é usado profissionalmente. A gente chegou a testar outros, mas esse foi o que funcionou melhor. É um pouquinho complicado, mas se vc tiver um saquinho pra ler o Help, ou tiver um namorado safo como o meu :) consegue usar numa boa. bjos

Elizabeth disse...

Tenho uma suposição a respeito da cozinha...

No que vocês entraram no belo cafofo, a única parte deplorável era a cozinha, principalmente no que tange aos azulejos que atacam o fígado humano. Era essa a parte que sofreria mais mudanças e, como não poderia deixar de ser, mais problemas.

Taí, mais uma vez, a prova de que Gestão da Mudança é fundamental para o sucesso de um projeto! rs

Biboca da parafuseta disse...

Hahahhha! Gestão da mudança é ótimo! Aprendeu isso na sua pós? Isso é bem expressão de pós e MBA!
Acho que nesse quesito ainda temos muito o q aprender...
bjos